SABÃO, ARTE E FILOSOFIA

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

USE SABONETES VEGETAIS E ENRIQUEÇA SUA PELE SEMPRE


VEGETAL, POR QUÊ?

Talvez porque reduzir o abate animal sistemático seria suficiente!
Talvez porque as plantas tenham muito mais a oferecer e isso seria o bastante!
Talvez porque os extratos vegetais sejam materiais nobres, logo seria ideal!
Talvez porque as plantas apresentam muitas opções para cada necessidade, isso seria ótimo!
Talvez porque os vegetais sejam mais compatíveis com o organismo animal, já seria bom!
Talvez porque seja natureza da planta suprir o planeta de nutrientes, seria correto!
Talvez porque o animal expresse um consciente mais dinâmico da vida, então seria humano!
Talvez porque nos elementos vegetais se controle melhor a toxidade, seria seguro!
Talvez porque o ecossistema seja mais preservado, certamente seria vital!
Talvez porque seu corpo lucre em saúde, claro que seria vantajoso!
Talvez porque as plantas existam exatamente para isso, sem dúvidas seria natural!
Ou talvez, simplesmente porque a humanidade evoluiu!!! ... Seria possível?..

À NOITE É HORA DE ALIMENTAR A PELE

Um bom sabonete glicerinado comporta com facilidade a inserção de um ótimo alimento para a pele ( O CREME DE LEITE), basta seguir o que demonstro abaixo:
Pegue 1 kg de base glicerinada vegetal (as bases com gordura animal são agressivas), cuidado!!! Existem muitas bases “vegetais” falsas (contém apenas traços de vegetal em sabão animal), voltando; em 1 kg de base vegetal fundida em banho-maria adicione 250 gr (uma lata) de creme de leite de ótima qualidade (existem muitas), não aconselho o uso do creme de leite fresco, pois este fermenta facilmente e deixa um odor desagradável no produto final.
Misture muito bem os ingredientes e perfume com moderação, existem essências que combinam bem com esse sabonete.
Passe para a forma e embale em seguida, seu uso é aconselhado para o rosto e mãos antes de deitar-se enxágüe mal e deixei-o trabalhar a pele, na manhã seguinte lave bem o rosto com o sabonete normal (preferência ao glicerinado comum).
Faça isso sempre e tenha a pele suave e rica em vitaminas para resistir ao ataque das intempéries do clima e da poluição.
Marcus Siviero.


quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

O MELHOR SABONETE DO MUNDO



O que você espera do melhor sabonete que já conheceu???
Bem..! Tomar um banho aos 65 anos de idade e sair do chuveiro com 22???
Lavar o rosto que sofre de acnes, cicatrizes, rugas e, ao enxugá-lo, notar que você se parece com a Branca de Neve???
E as mãos? Ficariam com técnicas de um virtuose ao piano???
Aí está o maior dilema do mundo..; um sabonete, por melhor que seja, por mais que faça por sua pele.., não opera milagres. Sua obrigação fundamental é, e sempre será, simplesmente ser um SABONETE.
Mas.., o que um sabonete maravilhoso se propõe fazer???
Em princípio, lavar e eliminar a sujidade de tudo que “toca”!!!
Deve ser especial em manter a pele suave, hidratada, perfumada com moderação, criar a sensação de frescor no verão ou calor no inverno e, finalmente, não deixar resíduos ao ser enxaguado.
Todos saberão que ele esteve lá, agiu e “foi embora”!!!
Agora todos perguntam assustados..; “... E A ESPUMA???”.
Quando um sabonete é bom ele sequer tem obrigação de espumar!!!
A espuma é um efeito colateral não uma virtude!
De fato, os sabonetes mais degenerados do mercado costumam ser os que mais espumam, qualquer artifício técnico de adição de “químicos” produz espuma em abundância.
Um dos melhores óleos hidratantes para confecção de sabonetes é o de MAMONA e quase sempre o estragam aditivando-o com tensoativos espumantes.
Um ótimo sabonete de glicerina espuma pouco.
É claro que um sabonete de CÔCO bem preparado espuma fartamente, mas isso é característica própria.
Digamos; “... a rosa é uma flor maravilhosa...”, mas..! Isso nos conduz a esquecer das orquídeas???
Saiba que um ótimo sabonete jamais deverá ser mais do que “UM SABONETE”!!!
Você notará que no decorrer do uso constante de um ótimo sabonete ele realmente fará “certos milagres”.
Sua pele não vai ressecar, o corpo estará sempre limpo e asseado, o perfume que você deixa não é um verdadeiro “rastro”, mas uma fragrância tênue e insinuante, porém e acima de tudo, delicada.
A umidade da pele será constante e moderada e a sensação de leveza é sua marca mais sensível.
Seu perfume não vai embaraçar o da sua água de colônia predileta e estará sempre presente ao ausentarem-se os outros.
Não será sua maquiagem, mas manterá a pele sempre apta a receber seus tratamentos de beleza e os removerá com perfeição quando for necessário.
Por esses singelos aspectos um grande sabonete se destaca dos comuns!!!
Você leu..? Então vá agora buscar seu sabonete!!!
Marcus Siviero

domingo, 20 de dezembro de 2009

UMA FORMA MUITO PRÁTICA E DEFINITIVA PARA SABONETES ARTESANAIS



Esta é a forma definitiva, você faz sabonetes à vontade e ela lhe oferece tamanho padronizado sem cortes, sem rebarbas e sem aquela confusão sem fim de cortes e arames. Sua durabilidade é quase infinita e pode ser adaptada para marcas e logos de estampagem permitindo trocas à vontade, saiba mais entre em contato pelo seu comentário e deixe seu e-mail.

O QUE UM BOM SABONETE EXIGE?
































































MUITO CONHECIMENTO E TECNOLOGIA:
Se você quiser saber tudo sobre sabão e sabonetes conheça esse blog e leia o meu livro.
Agora..! Se você optar pelos produtos desse blog receberá, além deles, o acompanhamento necessário ao bom desempenho dos seus trabalhos, toda a assistência possível e desenvolvimento de produtos que posso lhe oferecer.
Os clientes que eu tenho são meus amigos, os materiais eles adquirem e as técnicas eu forneço, o resultado dessa parceria tem garantido vendas saudáveis e permanentes com retorno quase absoluto dos consumidores das minhas matérias-primas e dos produtos artesanais que os meus amigos e amigas produzem artesanalmente.
Os (As) artesãos (ã) que trabalham com meus materiais tornam-se profissionais respeitados pela qualidade do que fornecem e até esqueceram dos inúmeros inconvenientes das bases que vertem água e da temível retração dos produtos que faziam.
Os perfumes e essências impregnam completamente a matéria-prima com apenas 1% de adição (perfumes honestos, “sem cargas”) sem aquele horrível “cheiro de sebo”.
Bases 100% vegetais com altíssimo teor de glicerina (de verdade), produto fácil de manipular e a custo justo.
Consulte meu fornecimento de materiais, comente e deixe seu e-mail.
Veja alguns flashes do meu parque fabril:
Equipamentos altamente produtivos com extrusoras de vazões a 450 e 960 kg/hr.
Tanques de tratamento para até cinco toneladas, batedores encamisados de inox para 500 kg. Cada.
Ferramentaria completa para manutenção e produção de ferramental próprio, máquinas e equipamentos.
Grande estoque de matéria-prima e produtos acabados.
Sede própria, tecnologia e estoque, impostos e mão de obra absolutamente integralizados com índice de liquidez de 100%.
Carteira de crédito e financiamento próprios.
E a mais absoluta harmonia entre a produção industrial e preservação ambiental.


EMBALAGEM E ARTE




A embalagem de um bom produto deve estar à altura dele.
Embale sabonetes, trufas, bombons, balas e infinitos outros produtos, saiba mais deixe seu e-mail e peça a lista de preço.

domingo, 2 de agosto de 2009

CUIDE DA SUA PELE

SABONETE DE SOJA E CREME DE LEITE COM CLARA DE OVOS

HIDRATANTE NATURAL PARA TRATAMENTO DE PELE

INGREDIENTES:

óleo de soja................................................900 ml

potassa cáustica (escamas)............................. 160 gr

Álcool comum........................................................80 ml

Creme de leite de ótima procedência....................................100 gr

Perfume (dispensável).............................................10 ml

Água filtrada...............................................................200 ml.

A clara de um ovo fresco

A potassa deverá estar previamente em solução na água obedecendo ao seguinte procedimento:

Coloque num recipiente (vidro ou plástico) a potassa em escamas (160g), lentamente e, em fino jato, derrame sobre ela a água (200 ml), estando em lugar seguro para não derramar ou espirrar, mexa lentamente com uma colher de sopa. Não usar soda cáustica NaOH

CUIDADO..! ESSA MISTURA PRODUZ CALOR ATÉ A FERVURA EXPONTANEAMENTE.

IMPORTANTE – NÃO COLOCAR EM CONTATO COM PANELA OU OBJETO DE ALUMÍNIO.

Depois de fria ou morna a solução, levar o óleo ao liquidificador previamente misturado com o álcool (80 ml), ligar em baixa velocidade e, muito lentamente (muito mesmo), derrame a solução cáustica no copo sem parar de bater. Quando o liquidificador começar a fazer força além do normal na primeira velocidade aumente a rotação com a tampa no lugar. Quando o liquido engrossar bem estará pronto, podendo ser adicionadas umas gotinhas de perfume (que, em outra oportunidade, se ensinará a fazer em casa).

Depois de pronto o creme (3 horas), misturar com uma colher inoxidável o creme de leite frio e a clara do ovo; obs. Não aumente a quantidade dos ingredientes, pois a pele ficará oleosa .

CUIDADO COM OS OLHOS (RESPINGOS) E NÃO DEIXAR O COPO COM ÁLCOOL PERTO DO LIQUIDIFICADOR, O FAISCAMENTO DO MOTOR PODE INCENDIÁ-LO!

Envasar em potes para uso geral logo em seguida, usar 24 horas depois.

Marcus Siviero

terça-feira, 7 de julho de 2009

ESCREVA SEMPRE SEJA COMPREENDIDO

Sabão, arte e filosofia

A ESCRITA E A CIVILIZAÇÃO

Sem medo de errar podemos medir a grandeza de um povo pelo que este tem ou deixou de escrita. Na verdade, é extremamente dificultoso fazer contato com qualquer civilização, passada ou atual, senão por meio do que vem escrito por esta.

A comunicação é observada em todas as manifestações de vida, desde a vegetal até a racional, a primeira nos comunica e às de sua espécie mostrando que a luz do Sol lhe faz falta, que a água lhe é cara, que o fogo lhe é nocivo e, fundamentalmente, que a sua existência nos é útil e à manutenção da própria existência do planeta mantendo os gêneros deste vivos e atuantes, é inegável que a nossa inteligência sabe distinguir perfeitamente essa manifestação comunicativa. A segunda, contudo, não se limitou em dirigir seu olhar ao Sol ou a murchar na ausência da água, esta cresceu, disputou sua posição de destaque entre as demais espécies e, para afirmar essa peculiar condição, se impôs diferenciando sua forma comunicativa das demais.

Isso foi feito de inúmeras formas, todavia, é notável que dentre todas as modalidades de interação do entendimento a que melhor se adequou foi a faculdade de impregnar qualquer material ou meio de manutenção perene de dados (atualmente o eletrônico, p.ex.) com a palavra de modo codificado e inteligível a qualquer racional. É óbvio que a referência foi feita à escrita e esta é, peculiarmente graduadora, da qualificação de um povo ou de um indivíduo, está na sua configuração geral a sutil escala de conhecimento que manifesta seus dotes de sapiência desde o primeiro até o último ser.

É-nos obrigatório salientar que o modo perenede comunicar é, por seus próprios fundamentos, a melhor adaptação alcançada pela civilização, isso porque, independentemente de quem assim manifesta seu pensar, tanto para os contemporâneos como para a posteridade, este o faz com um propósito específico e esse não é outro senão o de gravar na memória dos seus observadores a mensagem que pretende passar, ou seja, a idéia é perpetuar a mensagem.

A expressão mais difundida para tal ato é a forma literária, pois nessa vem depositado todo o conhecimento humano e de maneira muito elaborada e aperfeiçoada pela experiência do saber acumulado.

Um trabalho literário obedece a padrões de construção usados até mesmo por quem não sabe usa-los com maestria, pois está no propósito e não propriamente na técnica sua característica primordial; a comunicação.

Todavia, é-nos proibitivo limitar as funções que exerce a escrita, como assevera-la ser singelamente uma arte ou singularmente uma ciência, apesar de encontrarmos na expressão arte-ciência uma aparente definição adequada semanticamente às nossas necessidades atuais, contudo, é um erro circunscrever todo seu contexto a meros expedientes de acomodação prática.

Esta é arte quando nos expressa os sentimentos do Espírito.

É, todavia, ciência quando sua tônica nos indica os caminhos do conhecimento.

A sabedoria encarna na grafia quando esta nos eleva unindo o saber ao Espírito, a comunhão do Ser completo.

A razão se apresenta nas pautas que nos orientam pelos caminhos da História, da Geografia e das ciências que descrevem nossas circunstâncias e situações para nos possibilitar opções mais apropriadas aos próximos passos.

A literatura nos fala à alma por meio de sua arte, nos evolui o espírito através de sua ciência, nos capacita cada vez mais com sua sabedoria, nos equilibra por intermédio de suas razões, qualifica sempre mais quem dela usufrui e, se levada às últimas conseqüências, até quem supõe não dispor dela por não conhecer seus códigos (caso típico do analfabetismo) é beneficiado por ela, ainda que de forma oblíqua, pois nesse particular existe a dependência dos que interferem por meio dela sobre os despreparados.

A criação literária é, em suma, a única via de comparação ao Criador, pois ela é o exclusivo meio de materializar perpetuamente o ideal humano, levando com a mais confiável fidelidade, as experiências passadas aos demais contemporâneos e futuros civilizados que afinal, apenas o são, porque lêem e escrevem.

Sempre que nos for facultado intervir em favor do próximo será nossa obrigação nos ‘intrometermos’...”.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

ENSINANDO A FAZER SABONETE GLICERINADO

Sabão, arte e filosofia

MASSABÁSICA GRANULADA.................................................................................1000gr

ÁGUA – .......................................................................................é possível até 80% da massa

ÁLCOOL – misturado com o perfume......................................min. 10% max. 20% da massa

AÇÚCAR – DISSOLVER NA ÁGUA E ÁLCOOL................................................até 1000gr

GLICERINA OU SORBITOL....................................................................................até 200gr

O material está pronto para formar o sabonete branco, basta separar em quantidades que interessem e colocar água fria na quantidade que quiser até 80% da massa e aquecer até formar uma pasta bem homogênea, misturar o álcool somente quando a mistura estiver morna, formará um líquido bem viscoso, parar quando não tiver vestígio de sólidos, é aconselhável peneirar ao envasar, deixar nas formas de silicone, de 20 à 30 minutos se pode tirar das formas, deixar curar e embalar. A quantidade de álcool determina o tempo de solidificação para desenformar.

Obs. a adição de álcool é obrigatória, pois ele produz a micro emulsão, se colocar o álcool antes da água o produto não dissolverá corretamente. Bater bastante, isto é, até obter uma mistura lisa sem sólidos, a espuma que fizer desfar-se-á rapidamente, logo se notará um líquido viscoso parecido com mel (ralo) escorre da colher devagar e ao esfregar entre os dedos parecerá óleo escorregadio, quando isso ocorrer é só envasar para os moldes e aguardar. Dá brilho se molhar levemente em álcool antes de embalar.

NÃO COLOCAR O ÁLCOOL ANTES DE FORMAR A PASTA BEM DEFINIDA!!!

OU MISTURE-O À ÁGUA E AÇÚCAR E AQUEÇA BEM ANTES DE USAR.

IMPORTANTE: material, totalmente isento, de odores antagônicos aos perfumes, inodoro quando exposto ao tempo, levemente alcoólico quando na embalagem original.

MATURAÇÃO: Se preferir, é possível ferver a água e espalhar sobre o produto em uma vasilha, deixar por quatro ou cinco horas (hidratação) ou até de um dia para outro, depois separe as quantidades que interessar aqueça até dissolver bem o material e acrescente o álcool com perfume e envase.

Faça aos poucos até ter prática e poder trabalhar em maior quantidade, esse material é um polímero em suspensão saponácea especial para trabalho controlado (teor de água), não acrescer nenhum material estranho aos recomendados, isso prejudicará o produto final separando-o de seus componentes fundamentais. As sobras de fabricação, quando limpas, podem ser acrescidas às novas partidas.

Esse material foi especialmente desenvolvido para que o artesão produza sem riscos ou dificuldades, apesar disso, recomenda-se que sejam sempre misturados o álcool e a água longe de qualquer tipo de chama ou equipamento elétrico que produza faísca.

Esse produto é fornecido na cor branca, contudo, é possível, sob consulta orçamentária, a preparação de cores especiais, metalizados, dourados, aluminizados, perolizados e outros conforme possibilidades técnicas.

Ao desenformar o sabonete, deixar em lugar seco e ventilado por, pelo menos 24 hs, se possível, em temperaturas acima de 28°C e abaixo de 40°C, se recomenda embalar em material impermeável, apesar de que o material apresente boa resistência higroscópica, os óleos essenciais (perfume) são voláteis e migram com facilidade.

sábado, 4 de julho de 2009

RECEITA DOMÉSTICA DE SABÃO DE COCO A FRIO

Sabão, arte e filosofia

ESTE PEQUENO RECEITUÁRIO É EMPÍRICO E, DE FORMA NENHUMA, IMPLICA EM RESPONSABILIDADE DO AUTOR QUANTO DE SUA CONFECÇÃO PELOS INTERESSADOS NAS RECEITAS.

Formulação p/ fabricação caseira de sabão de coco a frio:

INGREDIENTES:

Gordura de coco....................................................1 kg

Soda Cáustica.....................................................0,5 kg (em solução de 38° Bé)

Sal de cozinha.......................................................2 lts (em solução de 23° Bé) (Se este item for eliminado, a durabilidade e a qualidade compensam o aumento do custo)

Álcool...................................................................80 ml

Fórmula rápida

Gordura de coco....................................................1 kg

Soda cáustica.....................................................0,5 kg

Sal de cozinha.......................................................1 lt (em solução de 23° Bé) (também pode ser eliminado)

Amido de milho(Maizena)................................0,20 kg (Torna o produto mais suave e tem função amaciante)

Bé = Graus Baumé (confere-se com o areômetro de Baumé, a 25° C)

(VOCÊ NÃO TEM ESSES APARELHOS COMPLICADOS???). Então leia abaixo!!!

Na prática é possível conseguir-se uma razoável aproximação destes valores procedendo-se da seguinte forma:

Com uma balança confiável

Para a soda:

Pesa-se com a maior precisão possível 450 gramas de soda cáustica comercial de ótima qualidade (muitas marcas deste produto são ineficientes), coloca-se em um recipiente graduado até um litro (desses de medir farinha, arroz, óleo, água, etc..), lentamente sobre as escamas da soda deve-se ir colocando água em jato fino (através do bico de um bule de café por exemplo), exatamente em um litro parar de colocar água, se for medido pelo areômetro, o valor que se encontra será muito próximo de 38° Bé.

Para o sal:

Da mesma forma que se procedeu para a soda, pesa-se 210 g de sal de cozinha de boa qualidade (refinado é mais fácil, mas sal grosso é o mais comum), colocar no recipiente graduado (medidor plástico de cozinha), completar com água até um litro de solução, bater com uma colher até não ser notado mais nenhum sinal de sal sólido na solução, separar e preparar outra dose para completar os dois litros da receita.

Obedecer rigorosamente as medidas, ou o produto não sairá perfeito!!

Fazer o sabão agora, é uma verdadeira brincadeira, em uma bacia plástica derrama-se o óleo de coco levemente aquecido (mais ou menos 50° C no máximo, temperatura agradável ao tato), mistura-se o álcool, pega-se o recipiente com soda e mistura-se com a solução de sal e, muito lentamente vai se misturando ao óleo batendo sempre sem parar e com muito cuidado para não espirrar. Quando se notar que a massa está consistente como um “pudim” e já oferece resistência à colher que mexe a mistura, está na hora de envasar nas fôrmas (de plástico ou madeira, evitar vidro e nunca usar alumínio) e deixar curar até o fim, o ideal será acomodar as fôrmas em lugar que mantenha o calor como uma “estufa”, num forno desligado por exemplo e está pronto o sabão, basta esperar algumas horas ou mesmo de um dia para outro e com certeza não se comprará mais os produtos que anunciam no mercado, pois que este fica muito melhor. (No verão fica pronto em 1 dia, no inverno em 2 ou 3) “Rende mais”.

Na segunda fórmula, basta misturar primeiro o amido na gordura sem deixar fazer grumos, em seguida mistura-se a soda na solução de sal e lentamente na gordura com amido sem parar de bater. (aconselha-se reduzir a fórmula toda à metade e bater no liqüidificador até a consistência de um mingau bem espesso) (Este sabão fica pronto em poucas horas, “mais ou menos 5 hs.”) “Rende menos porém, dura muito mais”. (Se eliminar a solução de sal, não bater no liqüidificador).

NOTAS IMPORTANTES

Nunca se deve fazer este material perto de crianças.

Usar o fogo estritamente para aquecer a gordura levemente.

Nunca, em nenhuma hipótese, deixe aquecer demais a gordura e coloque a soda, pois vai espirrar violentamente, produzir sérias queimaduras e corrosão grave pela soda sobre a pele.

Usar luvas de látex ou similar para trabalhar.

Muito cuidado com os olhos, é aconselhável o uso de óculos.

Se sobrar soda, deixe longe de crianças ou animais domésticos. (Faça corretamente as contas, as sobras são perigosas e contaminam o meio ambiente).

Nunca utilizar panelas ou objetos de alumínio neste trabalho.

Nunca trabalhar com o álcool perto de fogo aceso.

COMENTE E DEIXE SEU E-MAIL

  • SEM O SEU E-MAIL NÃO TENHO COMO ENTRAR EM CONTATO